Livro selecionado: "Obras Póstumas "

ÍNDICE

Página Anterior

Próxima Página

III. A Divindade de Jesus é Provada pelas Suas Palavras?

"E estando juntos os fariseus, lhes fez esta pergunta:

Que vos parece a vós do Cristo? De quem é ele filho? Responderam-lhe: De Davi. Jesus lhes replicou: Pois como lhe chama Davi em espírito seu Senhor, dizendo:

Disse o Senhor ao meu Senhor: Senta-te à minha mão direita, até que eu reduza os teus inimigos a servirem de escabelo de teus pés? Se, pois, Davi o chama Senhor, como é ele seu filho? (S. MATEUS, XII, 41 a 45).

"E falando Jesus, dizia, ensinando no templo: Como dizem os escribas que o Cristo é filho de Davi?

Porque o mesmo Davi por boca do Espírito Santo diz: Disse o Senhor ao meu Senhor: Senta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por estrado de teus pés.

Pois se o mesmo Davi Ihe chama Senhor, como é ele logo seu filho?..." (S. MARCOS, 35 a 37. Vide S. LUCAS, XX, 41 a 44).

Jesus consagra por estas palavras o princípio da diferença hierárquica que existe entre o Pai e o Filho. Podia ele ser filho de Davi por filiação corporal, como descendente da sua raça, e é por isso que pergunta: como o chama ele, em espírito, seu senhor? Se há uma diferença hierárquica entre o Pai e o Filho, Jesus, como filho de Deus, não pode ser igual a Deus. Ele confirma esta interpretação e reconhece a sua inferioridade relativamente a Deus, em termos que não admitem a menor contestação:

"Já tendes ouvido que eu vos disse: Eu vou, e venho a vós. Se vós me amais, certamente haveis de folgar que eu vá para o Pai, porque o Pai é maior do que eu". (S. JOÃO, XVI, 28).

"Eis que chegando-se a ele, um lhe disse: Bom mestre, que obras boas devo eu fazer para alcançar a vida eterna?

Jesus lhe respondeu: Porque me perguntas tu o que é bom? Bom só Deus o é. Porém, se tu queres entrar na vida, guarda os mandamentos". (S. MATEUS, XII, 16 e 17. Vide S. MARCOS, X, 17 e 18; S. LUCAS, XVIII, 18 e 19).

Não somente Jesus nunca se deu por igual a Deus: mas até afirma aqui o contrário muito positivamente, declarando-se inferior a ele em bondade. Ora, declarar que Deus é superior a ele em poder e em qualidades morais, é confessar que não é Deus.

As seguintes passagens, tão explícitas como aquelas, vêm corroborá-las:

"Porque eu não falo de mim mesmo; mas o Pai que me enviou é o mesmo que me prescreveu pelo seu mandamento o que eu devo dizer e o que devo falar;

E eu sei que o seu mandamento é a vida eterna. Assim que, o que eu digo, digo-o segundo me disse o Pai". (S. JOÃO, XII, 49 e 50).

Página Anterior - Próxima Página

Copyright 2004 - LAKE - Livraria Allan Kardec Editora
(Instituição Filantrópica) Todos os Direitos Reservados