Livro selecionado: "Obras Póstumas "

ÍNDICE

Página Anterior

Próxima Página

Fotografia e Telegrafia do Pensamento

Quando um acontecimento depende do livre-arbítrio de alguém, os videntes podem pressenti-lo, porque está no pensamento, que eles vêem; mas não podem afirmar que ele se dê, de tal maneira e em tal momento. A maior ou menor exatidão nas previsões dependem também da extensão e da clareza da vista psíquica. Em alguns indivíduos, encarnados ou desencarnados, essa vista é limitada a um ponto, ou mais ou menos difusa; ao passo que em outros é clara e abrange inteiramente os pensamentos e vontade, que devem concorrer para a realização de um fato. Acima de tudo, porém, está a vontade superior, que pode, em sua sabedoria, permitir uma revelação, ou não permiti-la. Neste último caso, um véu espesso envolve a vista psíquica por mais perspicaz que seja. (Veja A Gênese — Cap. da Presciência).

A teoria das criações fluídicas e, portanto, da fotografia do pensamento, é uma conquista do Espiritismo moderno e pode ser considerada uma aquisição em princípio, ficando à observação determinar-lhe as aplicações aos casos particulares. Este fenômeno é incontestavelmente a origem das visões fantásticas e deve representar importante papel em alguns sonhos.

Quem há na Terra que conheça a maneira pela qual se produziram os primeiros meios de comunicação do pensamento? Como se inventaram ou descobriram?

Nada foi inventado; tudo existe em estado latente, competindo ao homem procurar os meios de aproveitar as forças, que lhe oferece a natureza.

Que sabe o tempo que foi preciso para se fazer completamente inteligível a palavra?

O primeiro homem que deu um grito inarticulado tinha certamente a consciência do que desejava exprimir, mas aqueles a quem ele se dirigia seguramente não puderam compreendê-lo; só no correr do tempo foi que vieram as palavras convencionais, depois as frases interjetivas, depois enfim as orações.

Quantos milhares de anos foi preciso para chegar ao ponto em que se acha hoje a humanidade! Cada passo no modo de comunicação entre os homens tem sido sempre determinado por um progresso no estado social. A medida que as relações de indivíduo a indivíduo se estreitam e se tornam mais regulares, sente-se a necessidade de uma linguagem mais rápida e capaz de pôr os homens em relações instantâneas e universais uns com os outros.

Página Anterior - Próxima Página

Copyright 2004 - LAKE - Livraria Allan Kardec Editora
(Instituição Filantrópica) Todos os Direitos Reservados