Livro selecionado: "O Livro dos Espíritos"

ÍNDICE

Capítulo X

Lei de Liberdade

I - Liberdade Natural

825. Há posições no mundo em que o homem possa gabar-se de gozar de uma liberdade absoluta?

— Não, porque vós todos necessitais uns dos outros, os pequenos como os grandes.

826. Qual seria a condição em que o homem pudesse gozar de liberdade absoluta?

— A do eremita no deserto. Desde que haja dois homens juntos há direitos a respeitar e não terão eles, portanto, liberdade absoluta.

827. A obrigação de respeitar os direitos alheios tira ao homem o direito de se pertencer a si mesmo?

— Absolutamente, pois esse é um direito que lhe vem da natureza.

828. Como conciliar as opiniões liberais de certos homens com o seu freqüente despotismo no lar e com os seus subordinados?

— É que possuem a compreensão da lei natural, mas contrabalançada pelo orgulho e pelo egoísmo. Sabem o que devem fazer, quando não transformam os seus princípios numa comédia bem calculada, mas não o fazem.

828-a. Os princípios que professaram nesta vida lhes serão levados em conta na outra?

Quanto mais inteligência tenha o homem para compreender um princípio, menos escusável será de não o aplicar a si mesmo. Na verdade vos digo que o homem simples, mas sincero, está mais adiantado no caminho de Deus do que aquele que aparenta o que não é.

Copyright 2004 - LAKE - Livraria Allan Kardec Editora
(Instituição Filantrópica) Todos os Direitos Reservados