Livro selecionado: "O Livro dos Espíritos"

ÍNDICE

Capítulo IX

Intervenção dos Espíritos no Mundo Corpóreo

XIII - Bênção e Maldição

557. A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal para aqueles a quem são lançadas?

— Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpável aos seus olhos. Como temos as tendências opostas do bem e do mal, pode nesses casos haver uma influência momentânea, mesmo sobre a matéria; mas essa influência nunca se verifica sem a permissão de Deus e como acréscimo de prova para aquele que a sofre. De resto, o mais freqüentemente se maldizem os maus e bendizem os bons. A bênção e a maldição não podem jamais desviar a Providência da senda da justiça: esta não fere o amaldiçoado se ele não for mau e sua proteção não cobre aquele que não a mereça.(1)

(1) O problema da bênção e maldição, como se vê, reduz-se ao plano das relações psíquicas, amplamente estudado neste livro e atualmente em pesquisa na Parapsicologia. Mas um dos pontos mais importantes deste capítulo é o de nº 522, onde aparece o conceito instinto espiritual como lembrança das provas escolhidas. Não confundir esse conceito com o de instinto, biológico, tratado nos nºs 589 e 590. (N. do T.)

Copyright 2004 - LAKE - Livraria Allan Kardec Editora
(Instituição Filantrópica) Todos os Direitos Reservados