Livro selecionado: "Obras Póstumas "

ÍNDICE

V. Instituições Acessórias e Complementares da Comissão Central

Muitas instituições complementares da comissão central serão aqui anexadas, como dependências locais, à medida que o permitirem as circunstâncias, a saber:

1.° — Uma biblioteca, onde se encontrem todas as obras, que interessem ao Espiritismo, e que poderão ser consultadas aí, ou facultadas a domicílio;

2.° — Um museu, onde sejam as primeiras obras da arte espírita, os trabalhos mediúnicos mais notáveis, os retratos dos adeptos, que bem o tiverem merecido por sua dedicação, o dos homens que o Espiritismo quiser honrar, embora estranhos à Doutrina, como benfeitores da humanidade, grandes gênios, missionários do progresso, etc...;

3.° — Uma sala destinada a consultas médicas gratuitas e ao tratamento de certas afecções, sob a direção de um médico;

4.° — Uma caixa de socorros em condições práticas;

5.° — Um albergue;

6.° — Uma sociedade de adeptos, tendo sessões regulares.

Sem entrar em exame prematuro a respeito do assunto, é conveniente no entanto dizer algumas palavras sobre dois artigos, cujo sentido poderia ser mal interpretado.

O estabelecimento da nova caixa de socorros é impraticável e apresentaria sérios inconvenientes, como em artigo especial o demonstramos. (Revista de julho de l866; pág. 193).

A comissão pois não terá de tomar um caminho, que seja forçada a abandonar, nem de empreender o que não possa realizar. Ela deve ser positiva e não se embalar em ilusões quiméricas; é este o meio de ir longe e com segurança; por isso deve em tudo conservar-se nos limites do possível.

A caixa de socorros não pode, nem deve ser senão uma instituição local de limitado círculo de ação, cuja prudente organização possa servir de modelo às do mesmo gênero, criadas para sociedade particulares. Só pela sua multiplicidade, e não pela centralização dos seus meios de ação, poderão prestar serviços eficazes. A caixa será alimentada: 1.° — pela porcentagem, que se marcar da renda da caixa geral do Espiritismo; 2.° — pelos donativos particulares. Capitalizará o que receber para constituir uma renda certa, destinada à prestação de obrigações, segundo for estipulado no regulamento constitutivo.

O projeto de um albergue, como deve ser entendido, não pode ser levado a efeito de pronto, por falta do capital, que seria preciso, e porque é mister deixar à administração o tempo de se firmar e de caminhar com segurança, antes de complicar as atribuições com empresas, em que possa naufragar.

Abranger tanta coisa antes de ter seguros os meios de execução seria a maior das imprudências. Isto é intuitivo a quem estuda as minúcias de uma organização deste gênero. Muito valem as boas intenções; o essencial porém é a sua realização.

Copyright 2004 - LAKE - Livraria Allan Kardec Editora
(Instituição Filantrópica) Todos os Direitos Reservados