Livro selecionado: "Obras Póstumas "

ÍNDICE

A Minha Missão

12 de abril de 1860.
Em casa do Sr. Dehau — Médium, o Sr. Crozet.

(Comunicação espontânea obtida em minha ausência).

Pela firmeza e perseverança, o vosso presidente desfez os planos dos que lhe pretendiam destruir o crédito e arruinar a sociedade, na esperança de dar golpe fatal na Doutrina. Honra lhe seja feita! e saiba que somos com ele, e os bons Espíritos folgarão de auxiliá-lo na missão. Quantos aspiram à sombra dessa missão para terem a sombra dos bens, que dela emanam!

Não é ela perigosa; mas para levá-la a termo é preciso fé e vontade inabalável: é preciso abnegação e coragem para sofrer as injúrias, os sarcasmos, as decepções, sem se abater com as investidas da inveja e da calúnia. Nesta posição, o menos que pode acontecer é ser tratado como louco e charlatão. Deixai-os dizer o que quiserem; tudo passa, exceto a felicidade eterna. Tudo vos será contado, e bem sabeis que é necessário, para ser feliz, ter contribuído para a felicidade dos pobres seres com que Deus povoou a Terra.

Permaneça em paz e serenidade a vossa consciência, prelibando a felicidade celeste.(110)

(110) Difícil colocar de maneira mais expressiva a importância da missão de Kardec. A mensagem não vem assinada, mas os seus termos e a sua essência revelam a grandeza intelectual e moral do autor. Note-se o jogo de imagens com a sombra da missão e a força de expressão que dele resulta. (N. do Rev.)

Copyright 2004 - LAKE - Livraria Allan Kardec Editora
(Instituição Filantrópica) Todos os Direitos Reservados