Livro selecionado: "Obras Póstumas "

ÍNDICE

A Música Celeste

Certo dia, em reunião familiar, um pai leu a passagem de O Livro dos Espíritos relativo à música celeste.

Uma das filhas, boa musicista, pensava consigo: no mundo invisível não há música. Parecia-lhe aquilo impossível e por isso não externou o seu pensamento.

À noite, recebeu ela a seguinte comunicação:

"Hoje de manhã, minha filha, teu pai lia-te uma passagem de O Livro dos Espíritos. Tratava-se de música e tu ficaste sabendo que a do céu é muito mais bela que a da Terra. Assim a consideram os Espíritos.

"Tudo isso é verdade: entretanto, tu pensaste: como poderia Bellini vir dar-me conselhos e ouvir a minha música? É obra de algum Espírito leviano e enganador. (Alusão aos conselhos que o Espírito de Bellini lhe dava às vezes sobre música).

"Enganas-te, minha filha; quando os Espíritos tomam sob a sua proteção algum encarnado, têm por fim fazê-lo adiantar-se. Bellini não acha hoje bela a sua música, comparada à do espaço; mas nota a tua aplicação e amor pela arte e tem sincero prazer em te dar conselhos. Deseja que o teu mestre seja recompensado do seu trabalho, porque, embora tenha por infantil a sua ciência, em relação às sublimes harmonias do mundo invisível, aprecia-lhe o talento, que pode dizer-se grande na Terra. Acredita, minha filha, os sons dos instrumentos terrestres, as mais belas vozes, nenhuma idéia vos podem dar da música celeste e das suas suaves harmonias".

Momentos depois, a moça exclama: "Papai, papai, vou adormecer, segure-me"; e, imediatamente, reclinada em uma poltrona, exclama de novo: "Papai, papai, que música deliciosa!... Desperta-me, senão eu vôo daqui". Os assistentes, atordoados, não sabiam como despertá-la, quando ela exclamou: "Água! Água!" E, com efeito, alguns pingos d'água atirados ao rosto produziram o desejado efeito. A princípio, meio atordoada, a moça, pouco a pouco, voltou a si, sem ter a mínima consciência do que se tinha passado.

Na mesma noite, achando-se o pai só, obteve do Espírito de S. Luís a seguinte explicação:

"Quando lias à tua filha aquela passagem de O Livro dos Espíritos sobre a música, ela teve dúvidas, não podendo compreender a existência da música no mundo espiritual; eis porque, esta noite, eu lhe disse ser verdade o que lhe foi lido, mas não se tendo ela convencido, permitiu-lhe o Senhor aquele sono sonambúlico para que se convencesse.

"Então, o seu Espírito, desprendendo-se do corpo adormecido, voou ao espaço e foi admitido às regiões etéreas, onde o êxtase produzido pela impressão das celestes harmonias a fez exclamar: `'Que música! Que música!". Sentindo-se, porém, cada vez mais atraída para as mais elevadas regiões do mundo espiritual, pediu que a despertassem, indicando o meio: a água.

Tudo se faz pela vontade de Deus. O Espírito de tua filha não terá mais dúvida, conquanto, despertada, nenhuma memória ela conserve do que se passou; ele porém, o Espírito, bem sabe o que apreciou.

"Agradece a Deus os favores que dispensa a essa menina; agradece-lhe por dignar-se fazer-lhe conhecer, cada vez mais, a sua onipotência e bondade. As suas bênçãos desçam sobre vós e sobre esta médium feliz entre mil".

Observação — Perguntar-se-á que convicção pode ter aquela moça, desde que não guarde lembrança do que ouviu. Se, no seu estado normal, os fatos não se apresentam à sua memória, o Espírito os tem bem lembrados, ela conserva uma vaga intuição, que lhe modifica os pensamentos. Em vez de opor-se, aceitará sem dificuldades as explicacões que lhe forem dadas, porque compreenderá e intuitivamente acha-las-á conforme ao seu pensamento.

O que se passou aqui, por um fato insulado, no espaço de alguns minutos, durante a curta excursão feita pelo Espírito daquela moça ao mundo espiritual, é análogo ao que se passa de uma para outra existência, quando o Espírito, que encarna, possui luzes sobre um determinado assunto. Facilmente se apropria de todas as idéias, concernentes àquele assunto, nem que não guarde memória, depois de encarnado, da bagagem desses conhecimentos que trouxe consigo. As idéias porém, não cultivadas por ele, em outras eras, dificilmente lhe entram no cérebro.

É assim que se explica a facilidade com que certas pessoas assimilam as idéias espíritas; é que não fazem mais do que recordar as que já possuíram. Nascem já espíritas, como se nasce poeta, músico, matemático. Compreendem à primeira palavra e não precisam de fatos para se convencer. É este um sinal incontestável do seu adiantamento moral e do desenvolvimento do seu Espírito.

Na comunicação acima transcrita, foi dito:

"Agradece a Deus os favores, que dispensa a essa menina; as suas bênçãos desçam sobre vós e sobre esta médium feliz entre mil".

Estas palavras pareceriam indicar um favor, uma preferência, um privilégio, quando o Espiritismo nos ensina que Deus, sendo soberanamente justo, não tem preferência por nenhum dos seus filhos, não facilita a ascensão a uns mais do que a outros. Não haja dúvida que a mesma estrada está para todos aberta, mas não a percorrem todos com a mesma rapidez e o mesmo resultado, e não se aproveitam, por igual, das instruções a todos dadas.

O Espírito daquela menina, posto que jovem como encarnado, já sem dúvida muito viveu e, certamente, progrediu. Os bons Espíritos, encontrando-o dócil aos seus ensinos, folgam de instruí-lo, como faz o professor com o discípulo de boas disposições. É nesta conformidade que ele é feliz médium entre muitos outros, os quais pelo seu atraso moral não tiram grande vantagem da mediunidade. Por conseqüência, não há, neste caso, nem favor, nem privilégio, mas unicamente recompensa. Se a jovem deixasse de ser digna, imediatamente ficaria privada dos bons guias, correndo a rodeá-la uma multidão de maus Espíritos.(54)

(54) Os bons médiuns são sempre atenciosamente amparados. Mas se começam de repente a faltar aos seus deveres, desviando-se para interesses mundanos, explorando suas faculdades ou envaidecendo-se com elas, os Espíritos protetores, depois de tentarem abnegadamente impedir que eles se lancem no erro, afastam-se deles. Dá-se então uma troca de companhias. O médium que se transviou fica entregue aos Espíritos mistificadores com os quais se afinou. O mesmo acontece com os pregadores, os doutrinadores, os presidentes de Centros. Todos temos as nossas testemunhas, como dizia o apóstolo Paulo, os nossos anjos guardiães. Mas os Espíritos protetores não podem interferir no nosso livre-arbítrio, sem o qual não poderíamos evoluir. (N. do Rev.)

Copyright 2004 - LAKE - Livraria Allan Kardec Editora
(Instituição Filantrópica) Todos os Direitos Reservados