Livro selecionado: "Obras Póstumas "

ÍNDICE

Página Anterior

Próxima Página

Dos Homens Duplos e das Aparições de Pessoas Vivas

3. "O secretário do governo Triptis, em Weimar, dirigindo-se à chancelaria para buscar uns papéis de que tinha grande necessidade, encontrou-se já sentado na sua cadeira, tendo nas mãos os papéis de que necessitava. Espantou-se do que viu, voltou à casa e mandou o criado buscar os papéis no lugar onde os guardara. O criado obedeceu e viu também o amo sentado na sua cadeira".

4. "Becker, professor de matemática em Rostock, estando à mesa com alguns amigos, provocou uma questão de teologia: correndo à biblioteca em procura de uma obra, que devia decidir da questão, viu a sua própria pessoa no lugar que costumava ocupar. Olhando por cima do ombro daquele outro, que era ele próprio, viu-o mostrar-lhe a seguinte passagem da Bíblia, que estava aberta: "Arranja os teus negócios, porque estás para morrer".

"Voltou-se para os amigos, que aliás, não conseguiram convencê-lo de que fosse aquilo uma loucura, e no dia seguinte expirou".

5. "Hoppack, autor da obra — Materiais para o estudo da psicologia, diz que o abade Steimetz, tendo visitas em casa, viu-se ao mesmo tempo no jardim, seu lugar favorito. Apontando para a aparição, esta disse-lhe: aqui está o Steimetz imortal, lá está o mortal".

6. "F..., da cidade de Z..., que depois foi juiz, achando-se, quando moço, no campo, passeando com a filha do dono da casa, teve, a pedido dela, de ir buscar o chapéu de sol, que ela esquecera no quarto. Dirigiu-se para casa e lá viu, sentada à sua mesa de trabalho, a jovem senhora, que estava mais pálida do que era e olhava para ele.

"F..., apesar de sentir medo, tomou o chapéu, que estava junto dela, e levou-o. Vendo-o desconcertado, disse-lhe ela: confesse que viu alguma coisa — que me viu; porém não se arreceie, pois não estou para morrer; eu sou dupla (do alemão doppelgaenger, literalmente, — pessoa que se desdobra); pensava eu no meu trabalho e muitas vezes tenho visto a minha imagem ao pé de mim. Com isto nenhum mal fazemos".

7. "O Conde D... e as sentinelas supuseram, uma noite, ter visto a imperatriz Isabel da Rússia, sentada no trono, na sala imperial, em vestimenta de grande gala, ao tempo em que ela se achava deitada, dormindo.

"A dama de honra, que estava de serviço, tendo visto o mesmo, correu a despertá-la. A imperatriz dirigiu-se à sala do trono e aí viu perfeitamente a sua imagem. Ordenou a uma sentinela que fizesse fogo e a imagem desapareceu. A imperatriz morreu três meses depois".

8. "Um estudante chamado Elger tornou-se melancólico por se ver muitas vezes com a roupa vermelha, que usava. Não via seu rosto, mas os contornos de uma forma vaporosa, que se lhe assemelhava. Isto dava-se sempre na hora do crepúsculo ou do despontar da Lua. A imagem aparecia-lhe onde ele houvesse estado por muito tempo estudando".

Página Anterior - Próxima Página

Copyright 2004 - LAKE - Livraria Allan Kardec Editora
(Instituição Filantrópica) Todos os Direitos Reservados