Livro selecionado: "A Gênese"

ÍNDICE

Acréscimo ou Diminuição do Volume da Terra

15. O volume da Terra aumenta, diminui, ou é estacionário?

A fim de sustentar o acréscimo do volume da Terra, algumas pessoas se fundam no raciocínio de que as plantas trazem para o solo, mais do que dele retiram, o que num certo sentido é certo, e noutro não o é. As plantas se nutrem tanto das substâncias gasosas que retiram da atmosfera, como das que aspiram por suas raízes _ de fato, mais dos gases que da terra; ora, a atmosfera faz parte integrante do globo; os gases que a constituem provém da decomposição dos corpos sólidos, e estes, ao se recomporem, lhe retomam aquilo que já lhes haviam dado. É uma troca, ou por outra, uma transformação perpétua, de tal sorte que o acréscimo dos vegetais e dos animais se opera com o auxílio dos elementos constitutivos do globo, com seus restos, embora sejam consideráveis, não acrescentando à massa nem um átomo. Se a parte sólida do globo aumentasse por esta causa, de maneira permanente, isto se daria à custa da atmosfera, que diminuiria proporcionalmente, e terminaria por ser imprópria à vida, se ela não recuperasse, pela decomposição dos corpos sólidos, o que perdera por sua composição.

Na origem da Terra, as primeiras camadas geológicas foram formadas por matérias sólidas momentaneamente volatilizadas por efeito da alta temperatura e que, mais tarde, condensadas pelo resfriamento, foram precipitadas. Incontestavelmente, elas elevaram um pouco a superfície do solo, porém, sem nada ajuntar à massa total, pois o que ocorria, não passava de uma mudança de lugar da matéria. Quando a atmosfera, purgada dos elementos estranhos que mantinha em suspensão, se encontrou em seu estado normal, as coisas seguiram o caminho natural e regular, que depois tomaram. Hoje, a menor modificação na constituição da atmosfera arrastaria forçosamente a destruição dos atuais habitantes; porém, provavelmente também formaria novas raças, em outras condições.

Considerada sob este ponto de vista, a massa do globo, isto é, a soma das moléculas que compõem o conjunto de suas partes sólidas, líquidas e gasosas, é incontestavelmente a mesma desde sua origem; se ela experimentasse uma dilatação ou uma condensação, seu volume aumentaria ou diminuiria sem que a massa sofresse qualquer alteração. E pois, se a Terra aumentasse de massa, isto seria por efeito de alguma causa estranha, pois que ela não poderia extrair de si mesma, os elementos necessários a tal acréscimo.

Segundo certa opinião, o globo aumentaria de massa e de volume pelo afluxo de matéria cósmica interplanetária. Esta idéia nada tem de irracional, porém é muito hipotética para ser admitida em princípio. Não passa de um sistema combatido por sistemas contrários, sobre os quais a ciência não se fixou de modo nenhum. Sobre este assunto, aqui está a opinião do eminente Espírito que ditou os sábios estudos uranográficos aqui transcritos, no Cap. VI:

"Os mundos se esgotam pelo envelhecimento, e tendem a se dissolver para servir de elemento de formação a outros universos. Pouco a pouco, eles entregam ao fluido universal do espaço, aquilo que dele tiraram para se formar. Além disso, todos os corpos se gastam pelo atrito; o movimento rápido e incessante do globo através do fluido cósmico tem por efeito diminuir constantemente sua massa, se bem que isto se dê numa quantidade inapreciável num dado tempo. (1)

Segundo penso, a existência dos mundos pode se dividir em três períodos. _ Primeiro período: contração, solidificação da crosta; eclosão de germes, desenvolvimento da vida até o aparecimento do tipo mais perfectível. Nesse segundo momento, o globo está em toda sua plenitude, é a época da virilidade; perde, embora muito pouco, alguns de seus elementos constitutivos. Terceiro período: à medida que seus habitantes progridem espiritualmente, ele passa ao período de decrescimento material; perde substância, não somente devido à fricção, mas também pela desagregação de suas moléculas como uma pedra dura que, corroída pelo tempo, termina em poeira. Em seu duplo movimento de rotação e de translação, deixa no espaço parcelas fluídicas de sua substância, até o momento em que sua dissolução será total.

Mas então, como o poder de atração está na razão da massa, não do volume, a massa do globo diminuindo, suas condições de equilíbrio no espaço são modificadas; dominado por globos mais poderosos aos quais não pode fazer contrapeso, daí resultará desvio de seus movimentos, e por conseguinte, também mudanças nas condições da vida em sua superfície. Assim: nascimento, vida e morte; ou infância, virilidade, decrepitude, tais são as três fases pelas quais passa toda aglomeração de matéria orgânica ou inorgânica; unicamente o Espírito, que não é matéria, é indestrutível." (GALILEU, `Societé de Paris', 1868).

(1) Em seu movimento de translação ao redor do Sol, a velocidade da Terra é de 400 léguas por minuto. Sua circunferência sendo de 9.000 léguas, em seu movimento de rotação em redor de seu eixo, faz que cada ponto do equador percorra 9.000 léguas em 24 horas, ou 6,3 léguas por minuto.

Copyright 2004 - LAKE - Livraria Allan Kardec Editora
(Instituição Filantrópica) Todos os Direitos Reservados