Livro selecionado: "A Gênese"

ÍNDICE

Teoria da Projeção

1. De todas as teorias relativas à origem da Terra, a que teve mais crédito nos últimos tempos foi a de Buffon, seja devido à posição de seu autor entre os sábios, seja porque nada mais era conhecido naquela época.

Vendo todos os planetas movimentando-se na mesma direção, do ocidente para o oriente, e no mesmo plano, percorrendo órbitas cuja inclinação não excede 7 graus e meio, Buffon concluiu dessa uniformidade que eles foram colocados em movimento pela mesma causa.

Segundo ele, o Sol era uma massa incandescente em fusão; supunha Buffon que um cometa o atingiu obliquamente, raspando sua superfície, e dali destacando uma porção que, projetada no espaço pela violência do choque, dividiu-se em diversos fragmentos. Estes fragmentos formaram os planetas, os quais continuaram a se mover em círculo, pela combinação da força centrípeta e da força centrífuga, no sentido imprimido pela direção do choque primitivo, isto é, no plano da eclíptica.

Os planetas seriam assim partes da substância incandescente em sua origem. Resfriaram-se e consolidaram-se num tempo proporcional a seus volumes, e quando a temperatura o permitiu, a vida teve nascimento sobre sua superfície.

Como conseqüência do abaixamento gradual do calor central, a Terra chegaria, num tempo dado, a um estado completo de resfriamento; a massa líquida seria inteiramente congelada, e o ar, cada vez mais condensado, terminaria por desaparecer. O abaixamento da temperatura, tornando a vida impossível, conduziria à diminuição, e depois ao desaparecimento de todos os seres orgânicos. O resfriamento, que começou pelos pólos, alcançaria sucessivamente todas as regiões até o equador.

Tal é, segundo Buffon, o estado atual da Lua, que sendo menor que a Terra, seria hoje um mundo extinto, do qual a vida é inteiramente excluída. O próprio Sol teria a mesma sorte, algum dia. Segundo seus cálculos, a Terra teria levado aproximadamente uns 74.000 anos para atingir sua temperatura atual, e em 93.000 anos ela veria o fim da existência de sua natureza organizada.

2. A teoria de Buffon, contraditada pelas novas descobertas da ciência, está hoje quase completamente abandonada, pelos motivos seguintes:

1º _ Durante muito tempo se acreditava que os cometas fossem corpos sólidos, cujo encontro com um planeta pudesse causar a sua destruição. Com tal hipótese, a suposição de Buffon nada tinha de improvável. Porém, atualmente é sabido que os cometas são formados de matéria gasosa condensada, e todavia bastante rarefeita para que se possam perceber estrelas de média grandeza através de seus núcleos. Nesse estado, oferecendo menos resistência que o Sol, um choque violento, capaz de projetar ao longe uma porção de sua massa, é coisa impossível.

2º _ A natureza incandescente do Sol é igualmente uma hipótese que até o presente nada vem confirmar, e que as observações, ao contrário, parecem desmentir. Se bem que ainda não existam dados fixados acerca de sua natureza, o alcance dos atuais meios de observação tem permitido um melhor estudo de sua superfície. Atualmente, admite-se de modo geral, pela ciência, que o Sol é um globo composto de matéria sólida, rodeado de atmosfera luminosa ou fotosfera, a qual não está em contato com sua superfície. (1)

(1) Encontra-se uma dissertação completa e no nível da ciência moderna, sobre a natureza do Sol e dos cometas, nos "Estudos e conferências sobre a astronomia", de Camille Flammarion.

3º _ No tempo de Buffon, apenas se conheciam os seis planetas já conhecidos na Antiguidade: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter e Saturno. Posteriormente, foi descoberto maior número, dos quais, principalmente três têm sua órbita inclinada a 13, 10 e 34 graus, o que não concorda com a hipótese de um movimento de projeção única; são eles, Juno, Ceres e Palas.

4º _ Os cálculos de Buffon a respeito do resfriamento são reconhecidos como sendo completamente sem exatidão, desde a descoberta da lei do decréscimo do calor, pelo Sr. Fourier. Não foram os 74 mil anos o tempo necessário para que a Terra chegasse à sua atual temperatura, mas sim, milhões de anos.

5º _ Buffon não considerou senão o calor central do globo, sem levar em conta o dos raios solares; ora, hoje se reconhece, por dados científicos de rigorosa precisão, fundados sob experiências, que em razão da espessura da crosta terrestre, o calor interno do globo não tem, já de há muito tempo, senão parte insignificante na temperatura da superfície exterior; as variações que esta atmosfera sofre são periódicas e devidas à ação preponderante do calor solar (cap. VII, nº 25). O efeito desta causa é permanente, ao passo que o efeito do calor central é nulo, ou quase nulo; a diminuição desse fator não pode trazer à superfície da Terra modificações sensíveis. Para que a Terra se tornasse inabitável pelo resfriamento geral seria necessária a extinção do Sol. (1)

(1) Para maiores detalhes sobre o assunto, e quanto à lei do decréscimo do calor, ver: "Lettres sur les révolutions du globe", pelo Dr. Bertrand, antigo aluno da Escola Politécnica: (2ª carta). Esta obra, do nível da ciência moderna, escrita com simplicidade e sem espírito sectário, oferece um estudo geológico de grande interesse.

Copyright 2004 - LAKE - Livraria Allan Kardec Editora
(Instituição Filantrópica) Todos os Direitos Reservados