Livro selecionado: "A Gênese"

ÍNDICE

A Via Láctea

32. Durante as belas noites estreladas e sem lua, cada um de nós pode observar este luar branquicento que atravessa o céu de uma extremidade à outra, e que os antigos denominaram via láctea por causa de sua aparência leitosa. Esse luar difuso tem sido longamente explorado pelo olho do telescópio nos tempos modernos, e este caminho de pó de ouro ou este regato de leite da antiga mitologia, transformou-se num vasto campo de maravilhas desconhecidas. As pesquisas dos observadores têm conduzido ao conhecimento de sua natureza, e têm mostrado, lá onde o olhar errante apenas encontrava uma fraca claridade, milhões de sóis mais luminosos e mais importantes que aquele que nos ilumina.

33. Com efeito, a via láctea é um campo semeado de flores solares ou planetárias que brilham em sua vasta extensão. Nosso Sol e todos os corpos que o acompanham fazem parte desses globos radiantes, dos quais se compõe a via láctea; porém, apesar de suas dimensões gigantescas relativamente à Terra e à grandeza de seu império, não ocupa senão um lugar inapreciável nesta vasta criação. Podem-se contar uns trinta milhões de sóis semelhantes a ele, os quais gravitam nesta imensa região, afastados uns dos outros por mais de cem mil vezes do tamanho do raio da órbita terrestre. (1)

34. Por este cálculo aproximativo, pode-se considerar a extensão desta região sideral e da relação que une nosso sistema à universalidade dos sistemas que o ocupam. Igualmente pode-se considerar a exigüidade do domínio solar e, a fortiori, da nulidade de nossa pequena Terra. Que seria, então, se se considerassem os seres que a povoam!

Digo _ "da nulidade", pois nossas determinações se aplicam não só à extensão material, física, dos corpos que estudamos, _ o que seria pouco _, mas ainda e sobretudo a seu estado moral de habitação, ao grau que ocupam na eterna hierarquia dos seres. A criação ali se mostra em toda sua majestade, criando e propagando tudo em redor do mundo solar, e em cada um dos sistemas que o rodeiam por todos os seus lados, as manifestações da vida e da inteligência.

35. Por esta maneira, conhecemos a posição que nosso Sol e a Terra ocupam no mundo das estrelas; estas considerações adquirirão ainda valor maior, se refletirmos sobre o estado mesmo da Via Láctea, que, na imensidade das criações siderais, não representa senão um ponto insensível e inapreciável, se visto de longe; pois ela não é outra coisa senão uma nebulosa estelar tal como existem milhares no espaço. Se ela nos parece ser mais vasta e mais rica que outras, é pela única razão de que ela nos rodeia e se desenvolve sob toda sua extensão, sob nossos olhos, enquanto que outras, perdidas nas profundezas insondáveis, mal se deixam entrever.

36. Ora, se sabemos que a Terra nada é, ou quase nada, no sistema solar; este nada, ou quase nada, na Via Láctea; este nada ou quase nada na universalidade das nebulosas, e esta universalidade, muito pouco no meio do imenso infinito, _ começaremos a compreender o que é o globo terrestre.

(1) Mais de 3 trilhões e 400 bilhões de léguas.

Copyright 2004 - LAKE - Livraria Allan Kardec Editora
(Instituição Filantrópica) Todos os Direitos Reservados